Páginas

Festa da solidariedade marca aniversário do Samba do Banquinho

Postado por Soninha | Marcadores: , , , , , , , , , | Posted On terça-feira, 11 de março de 2014 at 11:55

No dia 13 de abril, domingo, a partir das 14h, no Estacionamento 10 do Parque da Cidade, o SAMBA DO BANQUINHO está em festa, comemorando seu primeiro aniversário e decidiu comemorar esta data com solidariedade às crianças carentes, na páscoa.

Por isso, o Samba do Banquinho, com seu projeto “Banquinho Solidário”, se uniu ao projeto “Corrente do Bem – Amor e Doação” para arrecadar doações de chocolates, bombons, ovos de páscoa e doces em geral.

Mas, como sempre, o Samba do Banquinho terá muita alegria e animação, onde dezenas de artistas chegam com seus instrumentos e se unem à maior roda de samba aberta de Brasília.

E como a data é especial, teremos outras atrações, como a bateria dos Unidos do Vicente Pires, a inauguração de u
ma placa marcando o Estacionamento 10 como o ponto cultural do Samba do Banquinho, artistas convidados, além de diversas outras surpresas.

Serviço:

  • O que: 1° aniversário do Samba do Banquinho
  • Quando: 13 de abril de 2014, domingo, 14h
  • Onde: Estacionamento 10 do Parque da Cidade
  • Quanto: Doe chocolates e doces para a páscoa das crianças carentes
  • Como: Leve seu banquinho, seu instrumento musical, seu isopor com sua bebida, seus petiscos e sua alegria.
  • Classificação: livre para todas as idades

Unidos de Vicente Pires comemora aniversário com festa popular

Postado por Soninha | | Posted On sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014 at 13:58

“Despertar a população da importância da construção de um ambiente sustentável” é o que propõe o Bloco de Enredo Grêmio Recreativo Carnavalesco Unidos de Vicente Pires – GRUVIPI, que festeja seu primeiro aniversário no próximo dia 15 de fevereiro, a partir das 15h, no Taguaparque.

A festa deverá reunir diversas organizações culturais de cunho popular, como a Bateria Furiosa e o Samba do Banquinho, que habitualmente se reúnem no Parque da Cidade. Também haverá apresentação de grupos de Escolas de Samba que estão prestando apoio ao GRUVIPI, além de artistas do mundo do samba.

O GRUVIPI é presidido pelo músico Luciano Ibiapina, histórico sambista da capital federal. A entidade, que desfilará pela primeira vez no circuito do carnaval do DF, tem por finalidade a promoção da cultura e de projetos sociais e passará na avenida do samba com uma mensagem de cidadania, lembrando que o futuro depende da compreensão, atitudes e iniciativas que perpassam a responsabilidade dos governantes, para tornar-se uma responsabilidade de cada indivíduo e sua participação social.

Serviço:

  • Festa popular de 1° aniversário do Unidos de Vicente Pires
  • Convidados: Bateria Furiosa do DF, Samba do Banquinho, Escolas de Samba, Artistas do mundo do Samba.
  • Dia 15 de fevereiro, 15h, no Taguaparque
  • Classificação Livre – Entrada franca

Como participar do desfile – Inscrições somente até 15/02

Atualmente o GRUVIPI realiza seus ensaios todos os sábados, à partir das 15h, com uma animada roda de samba no Taguaparque, com entrada franca e sempre com a presença de sambistas da melhor estirpe do Distrito Federal.

O desfile do GRUVIPI será no dia 01 de março, sendo a segunda agremiação a se apresentar. Quem quiser participar desta, que promete ser uma linda festa, não precisará desembolsar nenhum centavo, pois as fantasias serão subsidiadas e basta entrar em contato na sede da entidade, ou ainda, às tardes de sábado no Taguaparque. Inscrições somente até 15/02.

Feliz 2014

Postado por Soninha | Marcadores: , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Posted On terça-feira, 31 de dezembro de 2013 at 10:01


Feliz aniversário, Neguinho!

Postado por Soninha | Marcadores: , , | Posted On sábado, 21 de dezembro de 2013 at 00:01


2014 promete!

Postado por Soninha | Marcadores: , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Posted On quarta-feira, 18 de dezembro de 2013 at 23:50

Aos que gostam de previsões, 2014 será um ano movimentado e de muitos acertos de contas. Quem deve, paga! Quem merece, recebe!

Há os que se baseiam na chamada teoria do caos. Um simples bater de asas de uma borboleta poderá provocar um furacão.

Sim, os ventos movimentam tudo aquilo que parecia sólido. Eu não me conformo com a paz dos cemitérios.

Lembre que os vendavais também servem para posicionar o novo que vem surgindo. E depois de toda a tempestade, vem a bonança.

Que 2014, ano regido por Iansã, senhora dos ventos, que sabe conquistar, seja no fervor das guerras, seja na arte do amor e por Xangô, rei dos trovões, do fogo e senhor supremo da justiça, possamos construir uma sociedade onde haja a prevalência das mais calorosas paixões e da mais pura igualdade e justiça.

Tenho a alegria e a sorte de ter estes dois orixás como os meus protetores, meus guias e deles herdar as características. 2014 promete!

Sonho

Postado por Soninha | Marcadores: , , | Posted On terça-feira, 17 de dezembro de 2013 at 21:40


Ora iê iê ô!

Postado por Soninha | Marcadores: , , , , , , , , , , , , , | Posted On domingo, 8 de dezembro de 2013 at 00:01

Oxum é o nome de um rio em Oxogbo, região da Nigéria. É ele considerado a morada mítica desta Orixá africana que, no sincretismo com a religião católica, corresponde à Nossa Senhora da Conceição e Nossa Senhora de Aparecida. Oxum é a dona da água doce e, por extensão, de todos os rios e cachoeiras.

Dona do ouro, da riqueza e das águas doces. Padroeira dos negócios e da fecundidade protege o feto e a criança em gestação.

Características Positivas: seus filhos são pensativos, elegantes, charmosos, atenciosos, trabalhadores, espertos e têm um quê doce no olhar. São vaidosos, afetivos e carismáticos. Como profissionais, as pessoas regidas por Oxum são sensatas e dedicadas. Amam com sinceridade e dedicação. Conhecem o feitiço e fazem bom uso dele. Quando fixam um objetivo não medem sacrifício para conseguir atingir sua meta.

Mandela: herói ou bandido?

Postado por Soninha | Marcadores: , , , , , , | Posted On sexta-feira, 6 de dezembro de 2013 at 19:51

Quando saiu a notícia da morte de Nelson Mandela e a minha amiga Carol Moura postou que "antes que se saísse dizendo que ele era um herói, dever-se-ia conhecer sua história". É bem provável que a opinião da Carol e a minha sobre Madiba seja completamente antagônica. Entretanto, há coerência na sua posição.

Já a Rede Globo, como sempre, prefere surfar na crista da onda, seja ela qual for. Quem ainda lembra das manifestações de junho, deve lembrar que nas primeiras manifestações a Globo atacou ferozmente os manifestantes. Entretanto, quando percebeu que as manifestações poderiam infringir uma cunha para enfraquecer o governo Dilma, ela mudou completamente sua posição. Este fato, inclusive, gerou um vídeo argentino que virou piada internacional sobre a postura inconsequente da mídia brasileira.

Hoje vejo muita gente saudando Mandela. Reproduzindo frases, fotos, pensamentos. Gente “endeusando” Madiba.

E, entre esta gente, vejo pessoas que costumam compartilhar aqueles memes que dizem que “bandido bom é bandido morto”. Mandela foi, por anos e anos apontado pela mídia internacional (e brasileira) como um bandido. São também as mesmas pessoas que condenam Fidel e Lula e esquecem que Nelson Mandela é da mesma linhagem que eles. É aquele negócio: diga-me com quem andas e eu te direi quem és.

Meu amigo e camarada paraense Mauro Panzera satirizou em seu perfil do Facebook sobre isso. Ele escreveu que “Nelson Mandela desrespeitou as leis de seu país. Ajudou a promover saques. Participou de ataques a lojas que destruíram patrimônio de terceiros. Viajou com documento falso, provavelmente levando dinheiro escondido em cuecas e de origem não explicável legalmente. Ele usou nome falso. Foi um subversivo da pesada. Por isso foi preso, num julgamento monitorado por toda a mídia. Ele entrou nas listas de terrorista da Inglaterra e dos EUA. Enquanto ficou preso, sua vida era uma espécie de Big Brother e seus crimes eram explicados para a população pela mídia livre. Depois que se elegeu presidente, mostrou que não aprendeu nada com a prisão. Teve vários membros de seu círculo próximo acusados de corrupção e outros delitos. Ainda assim, Mandela, na maior cara de pau, promoveu políticas de distribuição de renda, tirou recursos dos ricos para os pobres. Resolveu alinhar a África do Sul num tal de BRICS para tentar subverter a ordem econômica mundial. Não se iluda, se fosse brasileiro, Mandela estava na Papuda.”

Gostaria de te convidar a refletir sobre tudo isso.

Mandela é o mesmo herói que tu saúdas ou o mesmo bandido que tu sempre quiseste ver morto? Mandela é o mesmo super-homem que tu exaltas ou o mesmo “corrupto” sentenciado pela mídia e reproduzido nas tuas postagens cotidianas?

Pense bem. A quem pertence as opiniões que tu manifestas?

São as tuas, ou são aquelas que o “plim-plim” embuti na tua mente, te tornando um fantoche reprodutor do que “eles” querem que tu penses?

E por favor, seja coerente.

Para sempre Madiba!

Postado por Soninha | Marcadores: , , , , , | Posted On quinta-feira, 5 de dezembro de 2013 at 21:48


Senhora das nuvens de chumbo, senhora de tudo dentro de mim - 04 de dezembro - Epahey Oyá!

Postado por Soninha | Marcadores: , , , , , , , , , , , , , , , , , | Posted On quarta-feira, 4 de dezembro de 2013 at 00:01

Hoje é o dia de minha mãe, Iansã, senhora dos raios, ventos e tempestades.

Iansã ou Oyá, é uma guerreira por vocação, sabe ir à luta e defender o que é seu, a batalha do dia-a-dia é sua felicidade.

Ela sabe conquistar, seja no fervor das guerras, seja na arte do amor.

Mostra seu amor e sua alegria contagiantes na mesma proporção que exterioriza sua raiva, seu ódio.

Dessa forma, passou a se identificar muito mais com todas as atividades relacionadas ao homem, que são desenvolvidas fora do lar; portanto não aprecia os afazeres domésticos, rejeitando o papel feminino tradicional.

Iansã é a mulher que acorda de manhã, beija os filhos e sai em busca do sustento.

O fato de estar relacionada a funções tipicamente masculinas não afasta Iansã das características próprias de uma mulher sensual, fogosa, ardente; ela é extremamente feminina e seu número de paixões mostra a forte atração que sente pelo sexo oposto.

Oyá teve muitos homens e verdadeiramente amou todos. Graças a seus amores, conquistou grandes poderes e se tornou orixá.

Assim, Iansã tornou-se mulher de quase todos os orixás.

Ela é arrebatadora, sensual e provocante, mas quando ama um homem só se interessa por ele, por tanto é extremamente fiel e possessiva.

Todavia, a fidelidade de Iansã não está necessariamente relacionada a um homem, mas a suas convicções e seus sentimentos.

Algumas passagens da história de Iansã a relacionam à antigos cultos agrários africanos ligado à fecundidade e é por isso que a menção ao chifres de novilho ou búfalo, símbolos de virilidade, sempre surge em suas histórias.

Iansã é a única que pode segurar os chifres de um búfalo, pois essa mulher cheia de encantos foi capaz de transforma-se em búfalo e tornar-se mulher da guerra e da caça.

EPAHEY OYÁ!!!
SALVE MINHA MÃE IANSÃ!!!

20 de novembro - Valeu Zumbi!

Postado por Soninha | Marcadores: , , , , , , , , , , | Posted On quarta-feira, 20 de novembro de 2013 at 00:45

20 de novembro - Dia da Consciência Negra - Porque, por mais que alguns hipócritas tentem negar a realidade segregacionista brasileira, a luta pela igualdade continua e eu faço parte dela.

♪ ♫ ♪ “Valeu Zumbi! O grito forte dos Palmares que correu terras, céus e mares influenciando a Abolição. Zumbi valeu! Hoje a Vila é kizomba, é batuque, canto e dança, jongo e maracatu. Vem “Menininha” pra dançar o caxambu, vem “Menininha” pra dançar o caxambu. Oô, oô, nega mina, Anastácia não se deixou escravizar. Oô, oô Clementina, o pagode é o partido popular. Sarcedote ergue a taça convocando toda a massa nesse evento que com graça, gente de todas as raças numa mesma emoção. Esta kizomba é nossa constituição. Esta kizomba é nossa constituição. Que magia reza ajeum e Orixá, tem a força da cultura, tem a arte e a bravura e um bom jogo de cintura, faz valer seus ideais e a beleza pura dos seus rituais. Vem a Lua de Luanda para iluminar a rua. Nossa sede é nossa sede de que o Apartheid se destrua. Valeu! Valeu Zumbi!” ♪ ♫ ♪

Não dou a ninguém o direito de destruir meus sonhos

Postado por Soninha | Marcadores: , , , , , , , , , , | Posted On sábado, 16 de novembro de 2013 at 21:22

Eu poderia falar sobre as inúmeras contradições jurídicas do processo do “mensalão”, mas, inevitavelmente cometeria erros graves, pois, nada entendo de Direito.

Poderia ficar respondendo aos ataques nas redes sociais que partem desde as mais inocentes pessoas que (infelizmente) comem pela mão da mídia, quanto daqueles que tem seus interesses partidários, ou ainda, dos raivosos e frustrados que não conseguiram uma teta no governo.

Poderia falar de muita coisa. Em junho de 2005, por exemplo, eu falei da espetacularização da mídia sobre este mesmo assunto. Aliás, penso que meu texto segue atual, veja clicando aqui.

Mas, não. Quero falar com a Daniela Luciana, que me inspirou para escrever este texto e quero falar com minha comadre Alexsandra que me pediu que eu escrevesse. Hoje eu quero falar com aquelas pessoas que, assim como eu, sonham com uma sociedade de igualdade, justiça social, soberania, dignidade.

Lutamos muito, muito mesmo, para conquistar um governo identificado com as causas sociais. E vimos este governo ser enlameado por atos que não condizem com aquilo que sempre acreditamos. Não podemos desconsiderar isso, mesmo sabendo que tudo foi devidamente arquitetado para derrubada deste governo.

Na minha terra, o Rio Grande do Sul, costumamos dizer que quem deixa rabo na estrada, corre o risco de que alguém pise nele. Quando se está num governo que contraria interesses de poderosos, não se pode vacilar. Não se pode deixar rabo na estrada. Não se pode praticar aquilo que sempre condenamos.

Principalmente, se considerarmos, que em matéria de corrupção as “viúvas do Palácio do Planalto” são especialistas. Quem acha que essa afirmação é sofisma, basta ler os livros “Privataria Tucana” e o “Príncipe da Privataria”. Mas, eu disse que não entraria no mérito do tema.

É por isso que eu disse que queria falar com as pessoas que dedicaram suas vidas ao sonho de uma sociedade de igualdade. Momentos como este nos entristecem e nos desanimam. Mas, a hora não é pra isso.

A hora é de levantarmos bem alto nossas bandeiras vermelhas carregadas de fé, de futuro, de sonhos e do sangue de tantos heróis do povo que o derramaram em nome dos nossos ideais.

É hora de dizer para Fernando Henrique, José Genuíno, Aécio NEVER, José Dirceu, José Serra, Joaquim Barbosa, Delúbio Soares, a família Marinho e a família Civita, entre outros, que nenhum deles, absolutamente, nenhum tem o direito de destruir os nossos sonhos.

Nenhum deles tem o direito de promover um espetáculo midiático, cujo objetivo é muito claro: atingir o governo popular, conquistado à duras penas pelo aguerrido e sofrido povo brasileiro.

A hora é de acreditar, ainda mais, no futuro. A hora é de lutar com mais entusiasmo, com mais força e mais fé para que o Brasil avance no rumo de uma sociedade que combata a corrupção, sim. Mas, que avance e muito no rumo de ser um país onde não exista um único ser passando fome. Um país que erradique o analfabetismo, que construa um sistema de saúde decente, que propicie que os direitos constitucionais não sejam letra morta.

Eu, que assim como milhares e milhares de militantes honesto desse país, não vou para debaixo da cama. Ao contrário. Eu vou pra rua, empunhando minha bandeira e armada com meus sonhos, lutar para defender o governo popular e para que o meu país avance. O socialismo é o meu objetivo. E ninguém vai destruir meu sonho, muito menos me acuar.

15 de novembro - Dia da Umbanda

Postado por Soninha | Marcadores: , , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Posted On sexta-feira, 15 de novembro de 2013 at 02:21

HISTÓRIA DA UMBANDA

No final de 1908, Zélio Fernandino de Moraes, um jovem rapaz com 17 anos de idade, que preparava-se para ingressar na carreira militar na Marinha, começou a sofrer estranhos "ataques". Sua família, conhecida e tradicional na cidade de Neves, estado do Rio de Janeiro, foi pega de surpresa pelos acontecimentos.

Esses "ataques" do rapaz, eram caracterizados por posturas de um velho, falando coisas sem sentido e desconexas, como se fosse outra pessoa que havia vivido em outra época. Muitas vezes assumia uma forma que parecia a de um felino lépido e desembaraçado que mostrava conhecer muitas coisas da natureza.

Após examiná-lo durante vários dias, o médico da família recomendou que seria melhor encaminhá-lo a um padre, pois o médico (que era tio do paciente), dizia que a loucura do rapaz não se enquadrava em nada que ele havia conhecido. Acreditava mais, era que o menino estava endemoniado.

Alguém da família sugeriu que "isso era coisa de espiritismo" e que era melhor levá-lo à Federação Espírita de Niterói, presidida na época por José de Souza. No dia 15 de novembro, o jovem Zélio foi convidado a participar da sessão, tomando um lugar à mesa.

Tomado por uma força estranha e alheia a sua vontade, e contrariando as normas que impediam o afastamento de qualquer dos componentes da mesa, Zélio levantou-se e disse: "Aqui está faltando uma flor". Saiu da sala indo ao jardim e voltando após com uma flor, que colocou no centro da mesa. Essa atitude causou um enorme tumulto entre os presentes. Restabelecidos os trabalhos, manifestaram-se nos médiuns kardecistas espíritos que se diziam pretos escravos e índios.

O diretor dos trabalhos achou tudo aquilo um absurdo e advertiu-os com aspereza, citando o "seu atraso espiritual" e convidando-os a se retirarem.

Após esse incidente, novamente uma força estranha tomou o jovem Zélio e através dele falou: _"Porque repelem a presença desses espíritos, se nem sequer se dignaram a ouvir suas mensagens. Será por causa de suas origens sociais e da cor ?"

Seguiu-se um diálogo acalorado, e os responsáveis pela sessão procuravam doutrinar e afastar o espírito desconhecido, que desenvolvia uma argumentação segura.

Um médium vidente perguntou: _"Por quê o irmão fala nestes termos, pretendendo que a direção aceite a manifestação de espíritos que, pelo grau de cultura que tiveram, quando encarnados, são claramente atrasados? Por quê fala deste modo, se estou vendo que me dirijo neste momento a um jesuíta e a sua veste branca reflete uma aura de luz? E qual o seu nome irmão?

_"Se querem um nome, que seja este: sou o Caboclo das Sete Encruzilhadas, porque para mim, não haverá caminhos fechados."

_"O que você vê em mim, são restos de uma existência anterior. Fui padre e o meu nome era Gabriel Malagrida. Acusado de bruxaria fui sacrificado na fogueira da Inquisição em Lisboa, no ano de 1761. Mas em minha última existência física, Deus concedeu-me o privilégio de nascer como caboclo brasileiro."

Anunciou também o tipo de missão que trazia do Astral:

_"Se julgam atrasados os espíritos de pretos e índios, devo dizer que amanhã (16 de novembro) estarei na casa de meu aparelho, às 20 horas, para dar início a um culto em que estes irmãos poderão dar suas mensagens e, assim, cumprir missão que o Plano Espiritual lhes confiou. Será uma religião que falará aos humildes, simbolizando a igualdade que deve existir entre todos os irmãos, encarnados e desencarnados.”

O vidente retrucou: _"Julga o irmão que alguém irá assistir a seu culto" ? perguntou com ironia. E o espírito já identificado disse:

_"Cada colina de Niterói atuará como porta-voz, anunciando o culto que amanhã iniciarei".

Para finalizar o caboclo completou:

_"Deus, em sua infinita Bondade, estabeleceu na morte, o grande nivelador universal, rico ou pobre, poderoso ou humilde, todos se tornariam iguais na morte, mas vocês, homens preconceituosos, não contentes em estabelecer diferenças entre os vivos, procuram levar essas mesmas diferenças até mesmo além da barreira da morte. Porque não podem nos visitar esses humildes trabalhadores do espaço, se apesar de não haverem sido pessoas socialmente importantes na Terra, também trazem importantes mensagens do além?"

No dia seguinte, na casa da família Moraes, na rua Floriano Peixoto, número 30, ao se aproximar a hora marcada, 20:00 h, lá já estavam reunidos os membros da Federação Espírita para comprovarem a veracidade do que fora declarado na véspera; estavam os parentes mais próximos, amigos, vizinhos e, do lado de fora, uma multidão de desconhecidos.

Às 20:00 h, manifestou-se o Caboclo das Sete Encruzilhadas. Declarou que naquele momento se iniciava um novo culto, em que os espíritos de velhos africanos que haviam servido como escravos e que, desencarnados, não encontravam campo de atuação nos remanescentes das seitas negras, já deturpadas e dirigidas em sua totalidade para os trabalhos de feitiçaria; e os índios nativos de nossa terra, poderiam trabalhar em benefício de seus irmãos encarnados, qualquer que fosse a cor, a raça, o credo e a condição social.

A prática da caridade, no sentido do amor fraterno, seria a característica principal deste culto, que teria por base o Evangelho de Jesus.

O Caboclo estabeleceu as normas em que se processaria o culto. Sessões, assim seriam chamados os períodos de trabalho espiritual, diárias, das 20:00 às 22:00 h; os participantes estariam uniformizados de branco e o atendimento seria gratuito. Deu, também, o nome do Movimento Religioso que se iniciava: UMBANDA – Manifestação do Espírito para a Caridade.

A Casa de trabalhos espirituais que ora se fundava, recebeu o nome de Nossa Senhora da Piedade, porque assim como Maria acolheu o filho nos braços, também seriam acolhidos como filhos todos os que necessitassem de ajuda ou de conforto.

Ditadas as bases do culto, após responder em latim e alemão às perguntas dos sacerdotes ali presentes, o Caboclo das Sete Encruzilhadas passou a parte prática dos trabalhos.

O caboclo foi atender um paralítico, fazendo este ficar curado. Passou a atender outras pessoas que haviam neste local, praticando suas curas.

Nesse mesmo dia incorporou um preto velho chamado Pai Antônio, aquele que, com fala mansa, foi confundido como loucura de seu aparelho e com palavras de muita sabedoria e humildade e com timidez aparente, recusava-se a sentar-se junto com os presentes à mesa dizendo as seguintes palavras:

"_ Nêgo num senta não meu sinhô, nêgo fica aqui mesmo. Isso é coisa de sinhô branco e nêgo deve arrespeitá."

Após insistência dos presentes fala:

"_Num carece preocupá não. Nêgo fica no toco que é lugá di nego."

Assim, continuou dizendo outras palavras representando a sua humildade. Uma pessoa na reunião pergunta se ele sentia falta de alguma coisa que tinha deixado na terra e ele responde:

"_Minha caximba. Nêgo qué o pito que deixou no toco. Manda mureque busca."

Tal afirmativa deixou os presentes perplexos, os quais estavam presenciando a solicitação do primeiro elemento de trabalho para esta religião. Foi Pai Antonio também a primeira entidade a solicitar uma guia, até hoje usadas pelos membros da Tenda e carinhosamente chamada de "Guia de Pai Antonio".

No dia seguinte, verdadeira romaria formou-se na rua Floriano Peixoto. Enfermos, cegos etc. vinham em busca de cura e ali a encontravam, em nome de Jesus. Médiuns, cuja manifestação mediúnica fora considerada loucura, deixaram os sanatórios e deram provas de suas qualidades excepcionais.

A partir daí, o Caboclo das Sete Encruzilhadas começou a trabalhar incessantemente para o esclarecimento, difusão e sedimentação da religião de Umbanda. Além de Pai Antônio, tinha como auxiliar o Caboclo orixá Malé, entidade com grande experiência no desmanche de trabalhos de baixa magia.

Em 1918, o Caboclo das Sete Encruzilhadas recebeu ordens do Astral Superior para fundar sete tendas para a propagação da Umbanda. As agremiações ganharam os seguintes nomes: Tenda Espírita Nossa Senhora da Guia; Tenda Espírita Nossa Senhora da Conceição; Tenda Espírita Santa Bárbara; Tenda Espírita São Pedro; Tenda Espírita Oxalá, Tenda Espírita São Jorge; e Tenda Espírita São Gerônimo. Enquanto Zélio estava encarnado, foram fundadas mais de 10.000 tendas a partir das mencionadas.

Embora não seguindo a carreira militar para a qual se preparava, pois sua missão mediúnica não o permitiu, Zélio Fernandino de Moraes nunca fez da religião sua profissão. Trabalhava para o sustento de sua família e diversas vezes contribuiu financeiramente para manter os templos que o Caboclo das Sete Encruzilhadas fundou, além das pessoas que se hospedavam em sua casa para os tratamentos espirituais, que segundo o que dizem parecia um albergue. Nunca aceitara ajuda monetária de ninguém era ordem do seu guia chefe, apesar de inúmeras vezes isto ser oferecido a ele.

Ministros, industriais, e militares que recorriam ao poder mediúnico de Zélio para a cura de parentes enfermos e os vendo recuperados, procuravam retribuir o benefício através de presentes, ou preenchendo cheques vultosos. "_Não os aceite. Devolva-os!", ordenava sempre o Caboclo.

A respeito do uso do termo espírita e de nomes de santos católicos nas tendas fundadas, o mesmo teve como causa o fato de naquela época não se poder registrar o nome Umbanda, e quanto aos nomes de santos, era uma maneira de estabelecer um ponto de referência para fiéis da religião católica que procuravam os préstimos da Umbanda. O ritual estabelecido pelo Caboclo das Sete Encruzilhadas era bem simples, com cânticos baixos e harmoniosos, vestimenta branca, proibição de sacrifícios de animais. Dispensou os atabaques e as palmas. Capacetes, espadas, cocares, vestimentas de cor, rendas e lamês não seriam aceitos. As guias usadas são apenas as que determinam a entidade que se manifesta. Os banhos de ervas, os amacis, a concentração nos ambientes vibratórios da natureza, a par do ensinamento doutrinário, na base do Evangelho, constituiriam os principais elementos de preparação do médium.

O ritual sempre foi simples. Nunca foi permitido sacrifícios de animais. Não utilizavam atabaques ou qualquer outros objetos e adereços. Os atabaques começaram a ser usados com o passar do tempo por algumas das Tendas fundadas pelo Caboclo das Sete Encruzilhadas, mas a Tenda Nossa Senhora da Piedade não utiliza em seu ritual até hoje.

Após 55 anos de atividades à frente da Tenda Nossa Senhora da Piedade (1º templo de Umbanda), Zélio entregou a direção dos trabalhos as suas filhas Zélia e Zilméa, continuando, ao lado de sua esposa Isabel, médium do Caboclo Roxo, a trabalhar na Cabana de Pai Antônio, em Boca do Mato, distrito de Cachoeiras de Macacu – RJ, dedicando a maior parte das horas de seu dia ao atendimento de portadores de enfermidades psíquicas e de todos os que o procuravam.

Em 1971, a senhora Lilia Ribeiro, diretora da TULEF (Tenda de Umbanda Luz, Esperança, Fraternidade – RJ) gravou uma mensagem do Caboclo das Sete Encruzilhadas, e que bem espelha a humildade e o alto grau de evolução desta entidade de muita luz. Ei-la:

"A Umbanda tem progredido e vai progredir. É preciso haver sinceridade, honestidade e eu previno sempre aos companheiros de muitos anos: a vil moeda vai prejudicar a Umbanda; médiuns que irão se vender e que serão, mais tarde, expulsos, como Jesus expulsou os vendilhões do templo. O perigo do médium homem é a consulente mulher; do médium mulher é o consulente homem. É preciso estar sempre de prevenção, porque os próprios obsessores que procuram atacar as nossas casas fazem com que toque alguma coisa no coração da mulher que fala ao pai de terreiro, como no coração do homem que fala à mãe de terreiro. É preciso haver muita moral para que a Umbanda progrida, seja forte e coesa. Umbanda é humildade, amor e caridade – esta a nossa bandeira. Neste momento, meus irmãos, me rodeiam diversos espíritos que trabalham na Umbanda do Brasil: Caboclos de Oxossi, de Ogum, de Xangô. Eu, porém, sou da falange de Oxossi, meu pai, e não vim por acaso, trouxe uma ordem, uma missão. Meus irmãos: sejam humildes, tenham amor no coração, amor de irmão para irmão, porque vossas mediunidades ficarão mais puras, servindo aos espíritos superiores que venham a baixar entre vós; é preciso que os aparelhos estejam sempre limpos, os instrumentos afinados com as virtudes que Jesus pregou aqui na Terra, para que tenhamos boas comunicações e proteção para aqueles que vêm em busca de socorro nas casas de Umbanda. Meus irmãos: meu aparelho já está velho, com 80 anos a fazer, mas começou antes dos 18. Posso dizer que o ajudei a casar, para que não estivesse a dar cabeçadas, para que fosse um médium aproveitável e que, pela sua mediunidade, eu pudesse implantar a nossa Umbanda. A maior parte dos que trabalham na Umbanda, se não passaram por esta Tenda, passaram pelas que saíram desta Casa. Tenho uma coisa a vos pedir: se Jesus veio ao planeta Terra na humildade de uma manjedoura, não foi por acaso. Assim o Pai determinou. Podia ter procurado a casa de um potentado da época, mas foi escolher aquela que havia de ser sua mãe, este espírito que viria traçar à humanidade os passos para obter paz, saúde e felicidade. Que o nascimento de Jesus, a humildade que Ele baixou à Terra, sirvam de exemplos, iluminando os vossos espíritos, tirando os escuros de maldade por pensamento ou práticas; que Deus perdoe as maldades que possam ter sido pensadas, para que a paz possa reinar em vossos corações e nos vossos lares. Fechai os olhos para a casa do vizinho; fechai a boca para não murmurar contra quem quer que seja; não julgueis para não serdes julgados; acreditai em Deus e a paz entrará em vosso lar. É dos Evangelhos. Eu, meus irmãos, como o menor espírito que baixou à Terra, mas amigo de todos, numa concentração perfeita dos companheiros que me rodeiam neste momento, peço que eles sintam a necessidade de cada um de vós e que, ao sairdes deste templo de caridade, encontreis os caminhos abertos, vossos enfermos melhorados e curados, e a saúde para sempre em vossa matéria. Com um voto de paz, saúde e felicidade, com humildade, amor e caridade, sou e sempre serei o humilde Caboclo das Sete Encruzilhadas".

Caixinha de sonhos

Postado por Soninha | Marcadores: , , | Posted On domingo, 3 de novembro de 2013 at 01:20

Depois de décadas a caixinha lacrada, guardada, escondida num canto remoto, deparou-se com o braço indelicado, desastrado. Caiu no chão e partiu em mil pedaços. De dentro dela saltaram cartas, poemas, papeis de bala. Latejaram sonhos. Palpitaram lembranças... Depois do susto, secou as lágrimas e foi juntando caquinho por caquinho, colando um a um e, apesar de tudo, renovando as esperanças.

Internet sem censura e sem pedágio!

Postado por Soninha | Marcadores: , , , , , , , , | Posted On sexta-feira, 1 de novembro de 2013 at 11:09

O projeto do Marco Civil da Internet não foi votado na última terça feira (29/10). Como o projeto está em regime de urgência, esta semana ele passou a trancar a pauta da Câmara dos Deputados. Ou seja, nada será votado antes do projeto que define os direitos de cidadãos e cidadãs na internet.

A atuação de ativistas sociais nesta data decisiva conseguiu mostrar para os deputados que a sociedade está atenta aos seus direitos. Mas o jogo não acabou e o contra-ataque está se armando.

O deputado Eduardo Cunha, líder do PMDB, está destacado para construir um acordo entre as corporações de telefonia e a Rede Globo. Esse acordo tem o objetivo de garantir os interesses comerciais destas empresas, mesmo que para isso seja necessário atropelar uma série de direitos civis. Querem fazer com a internet o que fizeram no rádio e na TV, transformando a rede em um veículo de comunicação com o controle nas mãos de poucos.

A VOTAÇÃO DO PROJETO ESTÁ MARCADA PARA QUARTA FEIRA, DIA 6/11. NESTE DIA, VAMOS PARA O CONGRESSO DAR O RECADO AOS PARLAMENTARES CARA A CARA!

VAMOS TAMBÉM AGITAR A REDE A PARTIR DE 9h COM UM TUITAÇO, PARA QUE O MUNDO TODO SAIBA O QUE ESTÁ ACONTECENDO NO BRASIL

O que está em jogo:

NEUTRALIDADE DA REDE:
O Marco Civil da internet coloca que as operadoras de infraestrutura da internet tem que ser neutras em relação ao conteúdo que passa pelos seus cabos. Eduardo Cunha quer que essas corporações possam colocar pedágios em seus cabos, escolhendo que conteúdo será livre e qual terá que pagar para passar na rede.

PRIVACIDADE:
O Marco Civil da Internet define que se você deletar um conteúdo na rede ele tem que de fato ser deletado e não poderá ser guardado por ninguém. Coloca também que as operadoras de telefonia não poderão guardar todos os dados da sua comunicação e da sua navegação na internet vigiando tudo que se faz na rede.

LIBERDADE DE EXPRESSÃO:
O Marco Civil da Internet combate a censura automática na rede. A Globo, com a falsa premissa de defesa de direitos autorais, retira da rede conteúdos que fazem o debate crítico da mídia e que estariam permitidos pela própria lei de direitos autorais. Agora ela quer que a censura automática.



Isso interessa a você:
Você tem até terça feira, dia 05 de novembro, para se inteirar dos detalhes do Marco Civil da Internet e partir para ação. Sua participação pode ser decisiva para a construção de uma internet que garanta liberdade, privacidade para se navegar e se expressar e igualdade de condições para navegar. Sem privilégios e escolha do que você pode ou não fazer dependendo de quanto dinheiro você dispõe.

Queremos democracia na rede! Queremos uma internet que garanta direitos do cidadão e não vantagens para as corporações econômicas que só visam lucro.

Se você ainda tem dúvidas sobre este tema, se informe no site: http://.marcocivil.org.br .

E, no dia 06/11, 9h, vá para a Câmara dos Deputados e para as redes sociais e ajude a defender a democracia na rede! Veja quais ações estão ao seu alcance e junte-se a nós nas ruas e nas redes!

Democracia é coisa nossa, Marco Civil já!

Quando não dá mais para calar

Postado por Soninha | Marcadores: , , , , , , , , | Posted On quarta-feira, 30 de outubro de 2013 at 03:38

Já escrevi, um milhão de vezes, que sou contra a depredação de patrimônio público, em protestos e manifestações sociais.

Entretanto, não sou nenhuma purista. O fato é que o povo das periferias cansou de assistir calada, cega e surda os abusos cometidos historicamente por policiais racistas contra jovens pobres e negros.

Cansou de ver seus filhos assassinados e no outro dia, ao perguntar para quem quer que fosse, ninguém sabe, ninguém viu ou ouviu nada. Cansou de aceitar passivamente que a vítima fosse tratada como um bandido, traficante e o assassino teria agido "em legítima defesa", ou que "foi acidental".

Cansou, também, de assistir a mídia, que sustenta este podre poder, acusar de vândalos aqueles que só tem no extremismo de colocar fogo em ônibus, ou em carros de link's de emissoras a sua arma para chamar a atenção aos desmandos de uma sociedade hipócrita, fascista, racista, machista e homofóbica, mas, acima de tudo, uma sociedade de profundas desigualdades sociais.

Amarildo e Douglas são apenas símbolos de uma incontável quantidade de pessoas assassinadas cruelmente por um genocídio silencioso financiado pelo Estado e promovido pela mídia, que prioriza jovens, negros e pobres.

O que se está chamando de vandalismo, eu que sempre me disse contra estes atos, afirmo que é APENAS o rompimento do silêncio social de milhares de mães, pais, filhos, esposas que não aguentam mais perder seus entes.

“O Príncipe da Privataria” é lançado em Brasília

Postado por Soninha | Marcadores: , , , , , , , , | Posted On quinta-feira, 17 de outubro de 2013 at 22:17

Por Sônia Corrêa - Jornalista

Um dos períodos mais sombrios da recente história brasileira, de desemprego, sucateamento e assalto ao patrimônio público e “a história secreta de como o Brasil perdeu seu patrimônio e Fernando Henrique Cardoso ganhou sua reeleição” é o que expõe a mais nova obra do jornalista e escritor, autor de diversos títulos, Palmério Dória.

Foto: Guina Ferraz
O livro “O Príncipe da Privataria” foi lançado em Brasília, na última terça-feira, 15 de outubro, abrindo a semana nacional pela democratização da comunicação no Distrito Federal e vem causando frisson entre os políticos brasileiros.

A conversa foi mediada pelo Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé e contou com a presença do jornalista da Carta Capital, Leandro Fortes e o autor Palmério Dória que iniciou sua exposição afirmando que sua obra era uma grande reportagem e um livro de “autoajuda”.

Veemente ao contextualizar o período que compreendeu o chamado “governo neoliberal de Fernando II”, entre 1994 e 2002, a ostensiva e gigantesca “compra de votos para assegurar a reeleição de FHC, Dória disparou o questionamento: “por que FHC não está preso?”.

Para explicar porque Dória define seu livro como uma obra de autoajuda, ele explicou que não se trata apenas de uma coletânea de documentos, mas de histórias detalhadas da vida real, envolvendo a política e seus bastidores, situações pessoais vividas pelos personagens da “Era FHC”.

A publicação da Geração Editorial conta com 400 páginas, dividida em 36 capítulos e traz revelações de uma fonte enigmática, descrita como “Senhor X”, que atualmente vive “esquecido” no Acre e que foi responsável pela gravação de depoimentos de deputados revelando a venda de votos para a reeleição de FHC.

“Fizemos um trabalho sério. Quem quiser se informar sobre o que foi esse período de FHC encontrará tudo aí. Acho estranho que o livro não tenha repercussão midiática. Não é reverberado na grande imprensa”, afirmou o autor que considera a obra uma ferramenta de debate político.

Palmério Dória entende que as novas gerações que foram às ruas entre junho e julho, precisam conhecer essa história que não foi vivida por eles. “Há uma blindagem da grande imprensa para impedir que os brasileiros e o mundo conheçam os bastidores deste período”, assevera Palmério Dória.

Sob a tempestade...

Postado por Soninha | Marcadores: , , , , , , , , , , , , , , , , , , | Posted On segunda-feira, 30 de setembro de 2013 at 23:23


No estrondo agudo de trovões justiceiros, escuto o anúncio de Papai Xangô: Lá vem Mamãe Oyá rodopiando, meneando as folhas, sacudindo as almas, remexendo a vida, varrendo desventuras, riscando o céu de coriscos para, daqui a pouco, lavar com jorros pujantes todos infortúnios. Será uma linda noite de tempestade, em Brasília. 

Epahêy, Iansã! Kawô Kabiecilê, Xangô!